quarta-feira, 28 de dezembro de 2016

E assim se passaram 50 anos . . .

12/12/1966 - 20/12/2016
Eu já havia mencionado aqui que 2016 era um ano de realizações. Completei 70 anos de idade em julho e, em dezembro, 50 anos como Oficial da Marinha Mercante e da Reserva Naval.

Na dia 20 de dezembro participei com muito orgulho da cerimônia do Jubileu de Ouro da Turma de 1966, realizada no Centro de Instrução Almirante Graça Aranha (CIAGA), onde fica a Escola de Formação de Oficiais da Marinha Mercante (EFOMM).

Baile da Primeira Platina, no Clube Naval
A nossa turma ingressou na Marinha do Brasil no início de 1964, após rigoroso processo de seleção, que incluiu o vestibular acadêmico e exames físico, médico e psicológico. Durante os 7 semestres de duração do curso de formação (hoje realizado em 8 semestres), a rotina era bem puxada. O dia se iniciava às 06:00 horas, com o Toque de Alvorada. A seguir tomávamos o café da manhã e as atividades começam às 06:30 com educação física, esportes terrestres e treinamento náutico, seguidos de aulas em matérias básicas e profissionais que duravam, muitas vezes, até as 16:00 horas. Muitas vezes o nosso dia era dedicado a visita de instrução em navios, estaleiros e no Arsenal da Marinha. Paralelamente, recebíamos instrução de formação militar, muitas vezes em quartel dos Fuzileiros Navais.

Depois do jantar e do horário de recreação, tínhamos o "Estudo Obrigatório" até as 22:00 horas, realizada nas salas de estudo dos camarotes onde nos alojávamos.

1965 - No meu segundo ano, no camarote durante o Estudo Obrigatório
Quatro alunos viviam em cada camarote duplex, constituídos de duas salas de estudo no primeiro piso e dois quartos e um banheiro no piso superior. Cada quarto era mobiliado com um beliche duplo e dois armários embutidos. O banheiro não tinha chuveiro elétrico e o camarote não possuía ventilador ou qualquer outro aparato para amenizar o calor do Rio de Janeiro. E não nos era permitido trazer qualquer aparelho para a Escola.

Às 22:00 o "Toque de Silêncio" encerrava as atividades do dia, exceto para aqueles que estavam de serviço e que passariam toda a noite na Sala de Estado ou nas demais atividades de vigilância.

1965 - Eu como Sub-Chefe (à esquerda) e meu veterano, Paulo Tadeu, como Chefe-de-Dia,
o equivalente a Oficial-de-Dia da EFOMM. Serviço de 24 horas!
Tínhamos duas semanas de folga em julho e três semanas em dezembro. Logo após o Ano Novo, tínhamos que nos apresentar para o embarque em "Viagens de Instrução", realizadas em navios da Marinha de Guerra ou da Marinha Mercante. As viagens terminavam próximas ao carnaval e logo depois das festividades começava o novo ano letivo. Era uma vida dura, mas necessária para forjar os futuros lobos do mar.

De serviço de vigia, no G-22 "Soares Dutra", Janeiro 1965.
 

No dia 12 de dezembro de 1966 fomos, finalmente, declarados Oficiais da Marinha Mercante.

12/12/1966 - Chegou o grande dia. Eu sou o da direita, na primeira fileira.
Desfile em continência ao Ministro da Marinha, 12/12/1966
Minha mãe (já falecida) colocando as platinas de Oficial no meu uniforme.


Missa de formatura na Igreja da Candelária. 13/12/1966
Os 61 Oficiais da Turma Sergio Lemos (homenagem a um colega de turma, que faleceu poucas semanas antes da nossa formatura), seguiram caminhos os mais diversos. Muitos fizeram sua carreira nos navios, em estaleiros ou nas companhias de navegação. Outros, seguiram outras profissões civis, depois do tempo de embarque obrigatório.

Para alguns como eu, que dedicou toda a sua vida adulta à Marinha, foi um grande emoção voltar à minha Alma Mater.

Tive a oportunidade de estudar em algumas instituições de grande prestígio acadêmico, como o Nautical Institute, o British Staff College, a PUC-RJ, a FGV,  a FEMAR e a Middleham University.

Mas a EFOMM e o CIAGA foram marcantes na minha vida, muito mais talvez por ter tido a oportunidade de ser um de seus professores por dois anos (1972-1973).

New Orleans, USA - 1967
Galvestons, Texas, USA, 1971
1972 - 1973
Em Santos, SP, com meu filho Marcus Vinícius, 1977.
New York, USA, Ano Novo 1978,
Montreal, Canadá, com meu filho Marcus Vinícius, 1979.
Bacia de Campos, litoral do Rio de Janeiro, 1983.
Costa norte do Brasil, 1984.
Como Vice-Presidente da Hamburg Süd, na incorporação do navio "Sea Cherokee", em 2002.
Recebido da Hamburg Süd, ao me aposentar em 2009.
Foi muito gratificante ter a oportunidade de mostrar a EFOMM ao meu neto, Marcus Wilson Thiemann Roque, que me acompanhou neste dia.


À esquerda, eu e meu neto Marcus Wilson Roque, acompanhados do Tenente Madela,
passeando pela tradicional Alameda Alegrete, o coração da EFOMM.
A solenidade, presidida pelo Comandante do CIAGA, Contra-Almirante Gilberto Cezar Lourenço, foi emocionante pela oportunidade de reviver aqueles momentos marcantes na nossa vida.



Contra-Almirante Lourenço dirigindo-se aos homenageados.
O capelão militar do CIAGA abençoa os homenageados.
A placa do Jubileu de Ouro da Turma 1966 é descerrada pelos colegas Artur Alagão e João Nilton.
A "Cana do Leme" é passada ao colega Flávio Rodrigues, da turma de 1967, que
manterá a tradição do reconhecimento pelos 50 anos de formatura.
Cumpriu-se a missão, iniciada no dia 19 de fevereiro de 1964. Considero ter honrado o Juramento à Bandeira e cumprido com meu compromisso com o Brasil.

12 comentários:

  1. Que bacana Mestre! Grandes fotos e momentos. Parabéns!

    Márcio Mafra

    ResponderExcluir
  2. Obrigado por dividir sua história conosco. Parabéns e Feliz 2017!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Celso. Um excelente 2017 para vocês.

      Excluir
  3. Adorei.
    Todos Mercantes gostariam de ver.

    ResponderExcluir
  4. Obrigado, Breno. Compartilhe com quem você quiser. Abraços.

    ResponderExcluir
  5. Bela carreira. Feliz 2017
    JL Martins . CLC
    Turma EFOMM 1974 Ciaga

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Comte. Martins. Um feliz 2017 para você e sua família.ç

      Excluir
  6. Bela Carreira, estes 4 anos que passei na EFOMM foi os melhores da minha vida, me formei em 2002 como maquinista, muitos da minha turma foram para a Marinha de Guerra outros foram para terra, e o resto estão no offshore, não conheço ninguem que esteja em navio ainda. Todos, inclusive eu, só fez a praticagem em navios e depois foram para o offshore. Muito boa essas lembranças Wilson, parabens e feliz 2017.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Maurício. Eu tive a oportunidade de estar em quase todos os setores da Marinha Mercante. Navios cargueiros, petroleiros, offshore, companhia de navegação, etc. Mas tudo isto teve origem na EFOMM. E os anos que passei lá foram marcantes na minha vida. Abraços e um 2017 de muitas realizações para você e sua família.

      Excluir
  7. Parabéns pela belíssima e digna carreira! Os militares são o orgulho de nossa pátria! Um abraço!

    ResponderExcluir