terça-feira, 11 de dezembro de 2018

Copel inaugura a maior eletrovia do país, ligando Paranaguá a Foz do Iguaçu


Cortar o Paraná de Leste a Oeste dirigindo um carro elétrico já é possível. A Companhia Paranaense de Energia (Copel) finalizou a instalação de postos de recarga e inaugurou nesta segunda-feira (10) a maior eletrovia do país, com 730 quilômetros de extensão. O trecho liga o Porto de Paranaguá às Cataratas do Iguaçu.

Ao todo, são 11 eletropostos espalhados ao longo de toda BR-277, que cruza o Estado. Os eletropostos já estão em funcionamento em Paranaguá, Curitiba, Palmeira, Fernandes Pinheiro, Prudentópolis, Candói, Laranjeiras do Sul, Ibema, Cascavel, Matelândia e Foz do Iguaçu.


A Copel investiu R$ 5,5 milhões no projeto, que é pioneiro no país. Embora já existam trechos de rodovias com eletropostos no Brasil, não havia até agora uma rodovia totalmente eletrificada.

Cada eletroposto tem 50 kVA (kilovoltampere) de potência – o equivalente a dez chuveiros elétricos ligados ao mesmo tempo – e três tipos de conectores, próprios para atender os modelos de carros elétricos ou híbridos disponíveis no Brasil, como os modelos i3, da BMW, e ZOE, da Renault.

As estações são todas de carga rápida e gratuita: leva entre meia e uma hora para carregar 80% da bateria da maioria dos carros elétricos. Esses modelos rodam de 150 a 300 quilômetros a cada carga. Por ser um projeto de pesquisa e desenvolvimento, os consumidores não terão custo para abastecer na eletrovia da Copel, informa a companhia.

Fonte: Gazeta do Povo

sábado, 8 de dezembro de 2018

Navio-Aeródromo "São Paulo" dá baixa do serviço ativo na Marinha do Brasil

Navio-Aeródromo "São Paulo
Após 18 anos de serviço  ativo, tendo navegado mais de 50.000 milhas sob bandeira brasileira, encerrou-se o ciclo de uma vida.



A Mostra de Desarmamento (termo utilizado para a cerimônia que encerra o serviço ativo de um navio da Armada) do Navio-Aeródromo “São Paulo” foi realizada no dia 22 de novembro de 2018.

Assim o “Alpha Doze” entra para a história, após ter sido o terceiro navio a ostentar o nome do Estado de São Paulo.

O A-12 "São Paulo" é o antigo FS Foch, da Marinha da França. Entrou em serviço ativo na Marinha francesa em 1963 e deu baixa em 2000, quando foi vendido para o Brasil. Teve atuação destacada na Guerra dos Balcãs e na Guerra do Golfo.

FS Foch
Características:

  • Deslocamento: 32.800 toneladas
  • Comprimento:  265 m
  • Boca: 51.2 m
  • Calado: 8.6 m
  • Propulsão: 6 caldeiras Indret abastecendo 4 turbinas a vapor de 126.000 hp
  • Velocidade: 32 nós (59 km/h)
  • Alcance: 7,500 milhas náuticas (13,900 km)
  • Tripulação: 1.900 tripulantes, incluindo o pessoal da Aviação Naval embarcada
  • Aeronaves: 40 aeronaves, entre aviões e helicópteros.  
A cerimônia foi presidida pelo Chefe do Estado Maior da Armada, Almirante-de-Esquadra Ilques Barbosa Junior e contou com a presença do Comandante de Operações Navais, Almirante-de-Esquadra Paulo Cezar de Quadro Küster, Secretário-Geral da Marinha, Almirante-de-Esquadra Liseo Zampronio, Diretor-Geral do Pessoal da Marinha, Almirante-de-Esquadra Celso Luiz Nazareth e do Comandante-em-Chefe da Esquadra, Vice-Almirante Alípio Jorge Rodrigues da Silva.


A cerimônia foi realizada no cais do Arsenal de Marinha, quando foi assinado o Termo de Desarmamento do Livro do Navio, que desativa o navio, findando assim o seu serviço no setor operativo da Marinha do Brasil. 

Após este ato, o comandante do porta-aviões “São Paulo”, Capitão-de-Mar-e-Guerra Carlos Roberto Rocha e Silva Júnior desembarcou do navio junto com sua tripulação, ao som da canção Cisne Branco, encerrando a vida militar do navio junto à Armada brasileira.


O Comandante do "São Paulo" conduzindo o desembarque da tripulação.
O "São Paulo" foi substituído pelo Navio Porta-Helicópteros Multipropósito "Atlântico", como navio-capitânea da Marinha do Brasil.

Aeromodelo = aviãozinho? #SQN

Steve Holland, da Inglaterra, com seu bombardeiro Lancaster
Algumas pessoas se referem aos aeromodelos como "aviãozinhos". Nada mais errado!

Um aeromodelo é menor do que a maioria dos aviões, mas pode haver aeromodelos maiores do que você pensa.

Um dos eventos mais conhecidos que congrega aeromodelos em escala gigante (acima de 50%) é o de Cosford, na Inglaterra. O evento é um encontro de aeromodelistas de todo o mundo, organizado pela LMA - Large Model Association, do Reino Unido.

É realizado anualmente na base aérea da Real Força Aérea em Cosford, Shropshire, 240 km a noroeste de Londres.

O vídeo abaixo mostra alguns momentos de um dos eventos realizados lá.


O próximo encontro em Cosford está agendado para julho de 2019.

terça-feira, 4 de dezembro de 2018

H-D do Brasil: condições especiais para Sportster e Softail



Durante todo o mês de dezembro a Harley-Davidson do Brasil oferece condições especiais para a compra de motocicletas das famílias Sportster® e Softail®, com destaque para o pagamento da primeira parcela, que poderá ser realizado em 90 dias.

Representando a família Sportster®, o destaque fica por conta da moto de entrada da marca no País, a Iron 883™. Apresentando design agressivo, assento baixo e suspensão rebaixada, o modelo de perfil urbano tem como público-alvo os jovens adultos que não têm tempo a perder nas grandes cidades e não abrem mão de ter um estilo de vida único que só uma motocicleta Harley-Davidson proporciona. Em dezembro, ela pode ser adquirida com 30% de entrada, saldo em 48 vezes e conta com a taxa de 0,99% ao mês, lembrando que a primeira parcela só será paga pelo cliente em 90 dias.

Toda a renovada familía Softail® (Street Bob®, Fat Bob®, Softail Slim®, Fat Boy®, Deluxe, Heritage Classic, Sport Glide®, Breakout® e FXDR™ 114) conta também com a condição especial de financiamento proporcionada pela Harley-Davidson ao longo de todo o mês dezembro: entrada de 30% do valor do modelo escolhido e saldo em 48 vezes, com taxa de 0,99% ao mês. Criadas a partir do maior projeto de desenvolvimento de produto da história da companhia, as motocicletas Softail® possuem um novo chassi de aço mais leve e mais rígido, construído para suportar o alto torque dos motores Milwaukee-Eight® 107 e Milwaukee-Eight® 114.

Fonte: Harley-Davidson do Brasil

sexta-feira, 23 de novembro de 2018

Harley-Davidson do Brasil realiza terceira edição do Brasil Ride


O Harley-Davidson® Brasil Ride chega a sua terceira edição neste ano de 2018. O evento de iniciativa nacional, que se baseia no World Ride dos Estados Unidos, visa motivar os proprietários de motocicletas Harley-Davidson e apaixonados pela marca a dominarem as estradas do Brasil nos dias 24 e 25 de novembro.

O objetivo é combinar a paixão dos motociclistas brasileiros por liberdade com o prazer de pilotar pelas mais diversas paisagens do nosso País. Um fim de semana em que esses pilotos não se preocuparão com o destino, apenas com as experiências vivenciadas ao longo do caminho e as histórias que terão para contar a bordo de uma H-D, na companhia de amigos e família. Ou seja, despertar o espírito livre e ir para a estrada, sentindo a liberdade e a adrenalina fluir pelas veias.

Com mais de 10 mil membros H.O.G.® e outros milhares de apaixonados pelo estilo de vida Harley-Davidson, o Brasil terá suas principais estradas repletas de motocicletas da marca no último fim de semana de novembro, com motociclistas se livrando da rotina, sentindo o vento no rosto, celebrando a irmandade e a parceria que só a H-D promove.

Durante o Brasil Ride, os motociclistas vão rodar em pequenos ou grandes grupos, todos unidos pelo mesmo ideal de liberdade e aventura que norteiam a história e a tradição da Harley-Davidson. Todas as concessionárias do Brasil estão engajadas e vão promover rides durante esses dois dias do evento. Os participantes poderão fazer o download do certificado de participação com seu nome e a quantidade de quilômetros rodados, na página do Brasil Ride no do site da Harley-Davidson do Brasil.

“O Brasil Ride é promovido pela Harley-Davidson do Brasil há três anos, no formato de uma campanha que incentiva nossos clientes a rodarem com suas motocicletas H-D® nesses dois dias, para que a chama do estilo de voda único da marca continue sempre acesa e o espírito do motociclismo prevaleça”, afirma Flávio Villaça, gerente de Marketing da Harley-Davidson América Latina.

Fonte: Harley-Davidson do Brasil

terça-feira, 20 de novembro de 2018

Harley-Davidson do Brasil: Open House com a linha 2019


Nos dias 23 e 24 de novembro a Harley-Davidson do Brasil realiza o tão esperado Open House da linha 2019 em todas as Concessionárias do País. Neste ano o Open House terá atrações muito especiais, dentre as quais shows com bandas de Rock and Roll, apresentação de DJs, barbearia, estúdio de tatuagem, Food e Juice Trucks, por exemplo.

 Junte-se aos amantes da Harley-Davidson e conheça toda a linha 2019, com foco nas novidades da família Softail®, como a Sport Glide® e a FXDR™ 114, além da linha Touring, que agora é equipada com o motor Milwaukee-Eight® 114 e com o novo sistema de multimídia, que é mais rápido, mais intuitivo e conta com a conectividade do Apple CarPlay, que permite o espelhamento de celulares na tela de 6,5”.

Além disso, no mês de novembro a Harley-Davidson do Brasil oferece condições únicas para a compra da motocicleta de entrada da marca no País: a Sportster® Iron 883™. Com design agressivo, minimalista e compacto, o modelo de perfil urbano tem como público-alvo os jovens adultos que não têm tempo a perder nas grandes cidades e não abrem mão de ter um estilo de vida único. Ela tem seu preço de R$ 42.400,00 por R$ 39.990,00 e pode ser adquirida com 30% de entrada, saldo em 48 vezes e taxa de 0,99% ao mês.

Toda a renovada familía Softail® (Street Bob®, Fat Bob®, Softail Slim®, Fat Boy®, Deluxe, Heritage Classic, Sport Glide®, Breakout® e FXDR™ 114) conta também com a condição especial de financiamento proporcionada pela Harley-Davidson durante o mês de novembro: entrada de 30% do valor do modelo escolhido e saldo em 48 vezes com taxa de 0,99% ao mês. Criadas a partir do maior projeto de desenvolvimento de produto da história da companhia, as motocicletas Softail® possuem um novo chassi de aço mais leve e mais rígido, construído para suportar o alto torque dos motores Milwaukee-Eight® 107 e Milwaukee-Eight® 114.

 Para quem gosta de conquistar as estradas, as motocicletas da família Touring, em sua versão 2019, agora são equipadas com o motor Milwaukee-Eight® 114 (com a exceção da Road King® Classic), e o novíssimo e mais rápido sistema de informação, navegação e lazer “Boom! Box™ GTS”, que  inclui o Apple CarPlay (exceto os modelos Road King® Classic e Road King® Special). Para os que não abrem mão de ter uma Harley-Davidson para ir ainda mais longe, é possível usar uma motocicleta seminova como parte do pagamento de qualquer modelo, com uma super valorização de R$ 5 mil. As condições são válidas até o dia 30 de novembro.

A linha 2018/19 da Harley-Davidson do Brasil está disponível para test ride em toda a rede de concessionárias autorizadas da marca no País. 
Basta acessar o site https://harleydavidsonbr.secure.force.com/TestRide e se inscrever para testar os novos modelos H-D, de acordo com a disponibilidade. Para consultar a loja oficial Harley-Davidson mais próxima, basta acessar www.harley-davidson.com/br/pt/find-a-dealer.html.

Fonte: Harley-Davidson do Brasil

segunda-feira, 19 de novembro de 2018

Um F4U Corsair fazendo sorvete?

Um F4U Corsair do Esquadrão VMF-122. O piloto é o Ten. Leroy E. Anheuser
No final de setembro de 1944, os membros do Esquadrão VMF-122  do Corpo de Fuzileiros Navais dos EUA estavam estacionados na Ilha Peleliu, no Oceano Pacífico e bastante entediados.

Seus caças F4U Corsair estavam a apenas 10 minutos de voo de uma ilha dominada pelos japoneses, mas o inimigo, sem suprimentos, não se apresentava para o combate. O comandante do esquadrão, Major J. Hunter Reinburg contou em seu livro autobiográfico (Combat Aerial Escapades: A Pilot’s Logbook) que os caças nipônicos fugiam do combate individual e os fuzileiros só cumpriam missões de ataque ao solo.

Ilha Peleliu, no Oceano Pacífico.
O Major Reinburg, determinado a levantar a moral do esquadrão naquela ilha úmida sem comida fresca e sem refrigeração, teve uma idéia. A equipe de manutenção cortou a ponta de um tanque auxiliar de combustível e o montou numa painel de acesso lateral. Neste painel ficava uma caixa hermética que normalmente estocava munição das metralhadoras .50. Nesta caixa, o sargento do rancho colocou uma mistura de leite enlatado e pó de cacau. A idéia de Reinburg era subir até um altitude considerável, onde a temperatura ficava abaixo de zero e retornar com um presente para seus subordinados: dezoito litros de sorvete de chocolate!

Depois de decolar numa missão que ele registrou como sendo de “teste do sistema de oxigênio”, o Major Reinburg circulou a 33.000 pés sobre a ilha de Palau – ocupada pelos japoneses – bem acima do alcance da artilharia antiaérea (28.000 pés), que gastava sua munição tentando abatê-lo. Depois de 35 minutos de voo, ele retornou para sua base com uma carga inútil. A mistura estava fria mas não tinha congelado, uma falha que a manutenção associou à proximidade do painel ao potente motor do Corsair.

O brasão do VMF-122 na sua versão moderna. O esquadrão opera com os
modernos Lockheed Martin F-35 Lightning II.
Para a segunda tentativa, registrada como um “voo de teste do super-compressor”, a equipe de manutenção aparafusou as caixas de munição nos painéis de inspeção das asas, bem longe do motor, aumentando a quantidade para 36 litros, o suficiente para os 100 fuzileiros do Esquadrão.

Desta vez a mistura congelou! Mas o Major Reinburg não estava satisfeito: a mistura não tinha sido “batida” para tornar-se bem cremosa. A solução foi instalar umas pequenas hélices nas caixas, ligadas por parafusos que acionavam pequenas pás no interior das caixas de munição. A ação do vento fazia as pequenas hélices transformarem-se em liquidificadores aéreos e bater a mistura para o ponto certo!
O resultado foi um sorvete de chocolate cremoso e suave.

Um piloto do Esquadrão VMF-122 saboreando um sorvete.
Os voos da Operação Congelar se tornaram rotina, revezando pilotos e aviões. Um dia, entretanto, o Oficial de Operações do Grupo, Coronel Caleb Bailey mandou um duro recado para o Major Reinburg, dizendo que a história de “voos de teste” não enganavam ninguém. “Eu tenho meus espiões. Digam ao Reinburg que estou indo até aí, amanhã, para pegar minha parte!!!”

Os Fuzileiros do Esquadrão VMF-122 não foram os únicos a fazer sorvete no ar, durante a guerra.

Tripulantes dos B-17 na Europa carregavam mistura de sorvete regularmente em seus voos de bombardeiro sobre alvos no continente. E, pelo menos uma vez, usaram um P-47 Thunderbolt para criar uma delícia: sorvete de creme com frutas enlatadas!

A título de curiosidade histórica, um dos comandantes do Esquadrão VMF-122 foi o famoso Coronel Gregory "Pappy" Boyington.