segunda-feira, 2 de julho de 2018

Harley-Davidson: dicas para as férias de julho


Para qualquer viagem de moto é preciso tomar diversos cuidados antes encarar uma estrada, no Brasil ou no exterior. Pensando na preparação completa que deve ser realizada pelos clientes, a Harley-Davidson do Brasil apresenta dicas importantes para quem pretende viajar com segurança e tranquilidade durante as férias escolares de julho.

A segurança na pilotagem deve ser sempre a principal preocupação de todo motociclista e é um tema abordado constantemente pela H-DB, visando garantir sempre uma experiência completa com a marca. É sempre importante preparar o roteiro da viagem com muita atenção e utilizar as vestimentas apropriadas para a pilotagem – sem esquecer dos dias de frio, calor e chuva –, itens fundamentais para garantir o sucesso dessa aventura, além da manutenção adequada da motocicleta e um kit básico para qualquer emergência técnica.

1. EQUIPAMENTOS DE SEGURANÇA
Antes de ligar sua Harley-Davidson, verifique itens essenciais para a segurança pessoal, tais quais luvas, capacete (sem danos, com adesivos refletivos e selo de homologação do Inmetro), calçados apropriados, como botas resistentes, por exemplo, jaqueta com protetores internos e capa de chuva (dependendo das condições climáticas) para piloto e garupa. Esses equipamentos garantem que, em uma possível queda, os danos sejam minimizados.

2. REVISÃO
Este item, assim como o primeiro, é extremamente relevante. A motocicleta precisa estar com todas as revisões em dia, pneus em bom estado e calibrados seguindo as recomendações do manual do proprietário, tanque abastecido com combustível de alta octanagem, bom nível de óleo e todas as lâmpadas funcionando perfeitamente (faróis, lanternas, luzes de freio, sinalizadores de direção e luz da placa). Caso qualquer um desses itens não esteja em perfeitas condições, o destino escolhido não deve ser a estrada, mas sim a concessionária Harley-Davidson mais próxima.

3. LIMPEZA
Quando for cuidar da limpeza da sua H-D antes de sair em viagem, é importante garantir que o modelo será lavado com os produtos corretos. Na ausência deles, o uso de água e sabão neutro ajudam a resolver o problema. Desta maneira, nenhuma peça será danificada durante a limpeza por produtos abrasivos que podem causar danos às motocicletas.

4. FERRAMENTAS
É sempre bom estar preparado para quaisquer imprevistos. Por isso, é importante carregar um kit de ferramentas básicas para ajudar na realização de algum reparo de emergência durante o ride. Antes de qualquer coisa, é preciso verificar quanto espaço existe na motocicleta para carregar as ferramentas. Em alguns modelos, o espaço é limitado e isso pode afetar a seleção das ferramentas. Por outro lado, os motociclistas com baggers têm condições de carregar mais itens.

Vale ressaltar, também, que cada motocicleta é única e necessita de um conjunto diferente de ferramentas. Ou seja, não adianta carregar uma chave fixa de 5/8” se não houver nenhum parafuso correspondente na moto. Outro fator para determinar exatamente quais ferramentas levar é a familiaridade com o modelo e seus requisitos técnicos específicos, além, é claro, do conhecimento de quais ações tomar para um possível reparo de emergência.

5. MANUAL DO PROPRIETÁRIO
Conhecer muito bem o manual do proprietário pode fazer toda a diferença para o motociclista em algum momento inesperado. Ou seja, entender o máximo possível da operação de cada um dos componentes principais da motocicleta ajudará caso algo não saia como planejado. Desta forma, será mais fácil diagnosticar o problema para o reparo ou na hora de solicitar auxílio profissional para a moto. É possível também baixar uma cópia do manual do proprietário no celular para economizar um espaço valioso em sua motocicleta.

6. ROTAS
Verifique se existem postos de abastecimento e restaurantes em sua rota antes de pegar a estrada. Além do GPS, recomenda-se ter na mochila o mapa ou um roteiro impresso com as estradas e as saídas que serão utilizadas durante a viagem, caso o aparelho de GPS ou o celular fiquem sem bateria. É recomendável que o piloto faça uma parada a cada 90 minutos para poder esticar as pernas, alongar-se, movimentar os músculos e garantir a alimentação e hidratação. Isso ajuda a evitar os desconfortos de viagens longas e também auxilia na concentração de piloto e garupa, além de despertar em casos de fadiga.

7. LIMITES DE VELOCIDADE
Não é necessário ter pressa. Respeitar sempre os limites de velocidade da estrada garante que o trajeto escolhido poderá ser bem aproveitado e a viagem transcorrerá com tranquilidade e toda a segurança, fazendo com que boas histórias sejam contadas no retorno.

Durante o período de garantia, os clientes da Harley-Davidson têm acesso ao serviço do Rider Assistance, então é fundamental ter o número caso seja necessário: 0800 131 854.

Fonte: Harley-Davidson do Brasil

segunda-feira, 25 de junho de 2018

Indian Motorcycles suspende operações no Brasil

Indian Roadmaster
A Indian Motorcycles chegou ao Brasil durante o Salão Duas Rodas 2015 prometendo uma forte participação no mercado. Menos de três anos após sua estreia a marca anunciou hoje, 25/6, o fim de suas operações no mercado brasileiro.

A marca tinha planos ambiciosos, como disputar mercado com a Harley-Davidson. Não conseguiu!

Com cinco modelos no seu portfólio, o mercado nacional não respondeu da maneira como sua fabricante, a Polaris Industries, esperava. 

Em 2017 parou de montar as motocicletas no Brasil e passou a importá-las completas, afirmando que o volume de vendas não justificava o investimento.

Entre 2016 e 2017 a Indian vendeu apenas 691 motos no atacado, segundo números da Abraciclo. Após parar a linha de montagem em Manaus, a empresa não mais forneceu o número de unidades vendidas.

“Nosso compromisso é de total suporte à rede de concessionárias e aos clientes da Indian Motorcycle nessa transição. Enquanto não identificamos um modelo de viabilidade para a Indian Motorcycle Brasil devido as atuais condições de mercado, o nosso foco será maximizar os recursos no crescimento da marca Polaris e fortalecimento da rede de concessionárias off-road,” afirmou o Gerente Geral da Polaris no Brasil.

Como sempre o "abacaxi" fica nas mãos do consumidor que acreditou na marca.

quarta-feira, 20 de junho de 2018

Outubro Rosa 2018 Curitiba: Inscrições esgotadas, mas . . .

Comunicado dos organizadores
O sucesso do evento pegou todo mundo de surpresa. Tanto organizadores como apoiadores não imaginavam que as inscrições se esgotariam já no primeiro dia de abertura.

O Outubro Rosa Curitiba é um evento consolidado, não há dúvida.

Os organizadores estão trabalhando para encontrar uma forma de poder receber mais participantes e aumentar o valor de doações para a causa do Hospital Erasto Gaertner.

Fiquem atentos e logo teremos mais notícias.

Saiba mais aqui.

segunda-feira, 18 de junho de 2018

Outubro Rosa 2018 Curitiba - Inscrições abertas


Nós no desfile do Outubro Rosa 2017
Mais uma vez os harleyros estão preparando o maior evento motociclístico do Sul do Brasil, em benefício do Hospital Erasto Gaertner.

O Outubro Rosa 2018 acontecerá nos dias 12,13 e 14 de outubro em Curitiba.

As inscrições foram abertas nesta segunda-feira, 18/6, e ao publicarmos esta postagem já havia 629 heróis (como são chamados pelos organizadores) inscritos, com um total de R$361.800,00 arrecadados para o Hospital.

As doações - grande parte do valor pago por cada inscrito - são direcionadas ao Hospital Erasto Gaetner, o maior centro de luta contra o câncer na região Sul do país. Em 2017 o hospital atendeu uma média de 32.000 pessoas por mês, totalizando mais de 1,7 milhão de procedimentos.

As inscrições podem ser feitas diretamente no site do Hospital:




domingo, 17 de junho de 2018

Fat Boy do filme "O Exterminador do Futuro 2": arrrematada por US$480.000


A motocicleta foi arrematada por US$480.000 por um colecionador que pediu para não se identificar.

Veja a postagem anterior, aqui.

A jaqueta usada pelo ator Arnold Schwarzenegger nestas famosas cenas, também foi arrematada neste leilão: US$24.000.

quarta-feira, 6 de junho de 2018

Navio Porta-Helicópteros Multipropósito "Atlântico" : a mais nova nave da Marinha do Brasil

HMS Ocean - futuro NPHM Atlantico
A Marinha do Brasil da segunda metade do século XX teve alguns navios que promoveram um divisor de águas na capacidade operacional da Força Naval.

Um deles foi o NAeL Minas Gerais (ex-HMS Vengeance, construído em 1944) no início da década de 1960. Outros foram as fragatas da classe Niterói, no final da década de 1970.

NAeL Minas Gerais, com os P-16 Tracker no convés de vôo
Fragata Niterói
Isto também deve acontecer com NPHM Atlântico (A140), ex-HMS Ocean da Real Marinha britânica (construído em 1998), que era usado como navio de assalto anfíbio até março de 2018. 
Ele é esperado no Brasil até o final de 2018 e ficará baseado na Estação Naval do Rio de Janeiro, em Niterói. A Marinha do Brasil estima que o navio ficará operacional em 2020.

Comprado por 84,6 milhões de libras esterlinas (US$113,2 milhões) no final de 2017, tem as seguintes características:
  • Deslocamento: 21.500 t
  • Comprimento:  203.4 m
  • Boca: 35 m
  • Calado: 6.5 m
  • Propulsão: 2 motores  Crossley Pielstick  de 12 cilindros, 18.360 BHP, 2 hélices
  • Velocidade máxima: 18 nós
  • Autonomia: 8.000 milhas náuticas
  • Capacidade: 40 veículos
  • Tropa embarcada: 830 Fuzileiros Navais
  • Tripulação: 285 Oficiais e Praças
  • Aviação: 180 Oficiais e Praças
  • Aeronaves: 18 helicópteros de combate 
O “Atlântico” possui quatro lanchões LCVP (Landing craft vehicle and personnel) de 15,7 m de comprimento e 24 toneladas de deslocamento.

Os dois lanchões de bombordo, prontos para lançamento
Cada uma destas embarcações é operada por uma tripulação de três homens e pode transportar até 35 Fuzileiros Navais totalmente equipados para combate. A velocidade máxima nominal dessas unidades é de 25 nós (46 km/h) com uma autonomia de 210 minhas náuticas (390 km)

Fuzileiros Navais preparados para embarcar nos lanchões
O navio possui dois sistemas radar: um Kelvin Hughes Type 1007 de vigilância de superfície e navegação e um BAE Systems Type 997 (Artisan - Advanced Radar Target Indication Situational Awareness and Navigation ), radar tridimensional de vigilância aérea e de superfície. É equipado também com o sistema de combate ADAWS 2000L.

O conjunto de radares Type 1007 possui um Color Tactical Display (CTD): visor de navegação altamente capaz, com uma ampla seleção de situações operacionais e táticas. Ele é capaz de fazer o acompanhamento integrado de até 50 alvos rastreados automaticamente e de 20 alvos rastreados manualmente.

Já o Type 997 Artisan provê controle de tráfego aéreo extensivo e identificação dos alvos com visualização tática a médio alcance e suporta monitoramento simultâneo de mais de 900 alvos, com boa resistência aos mais complexos disturbadores eletrônicos conhecidos internacionalmente.


Dois vídeos interessantes:
  • Imagens do HMS Ocean em operação no Brasil

  • Helicópteros que serão utilizados no NPHM Atlântico

Atualização em 26/6/2018: O NPHM Atlântico fará mostra de armamentos no dia 29/6/2018, procedimento padrão para sua incorporação à Esquadra Brasileiro. Depois seguirá para o Brasil, onde é esperado em agosto.

NPHM Atlântico, no Inglaterra, já com as cores da Marinha do Brasil

terça-feira, 5 de junho de 2018

E o frio, chegou? Ou não?

Previsão do tempo às 18:45 de segunda-feira
Esta era a previsão do tempo para Curitiba, segundo o SIMEPAR, no início da noite de segunda-feira, 4 de junho.

15 horas depois, a previsão estava totalmente alterada:


A temperatura mínima para sábado, 9 de junho, passou de -1°C para 9°C. Caramba, é uma baita diferença.

Claro, eu sei que prever o tempo e o clima é um trabalho difícil e que requer muitos equipamentos e tecnologia, que estamos muito longe de possuir. Afinal, os nossos impostos tem que bancar campanhas políticas e não sobra para investimentos onde realmente são necessários.

Mas uma diferença tão grande em menos de um dia me parece exagerado!

quarta-feira, 23 de maio de 2018

Gasolina: afinal quem é o vilão?

Os impostos estaduais (ICMS) e federais (CIDE, Pis/Pasep e Cofins) representam 45% do preço da gasolina paga pelo consumidor brasileiro.

Ou seja, os governos ganham mais com a gasolina do que a Petrobrás, as distribuidoras e os postos de gasolina.

Mais uma vez milhões de brasileiros trabalhando para sustentar governos corruptos, incapazes e ineficientes. Até quando?