sábado, 28 de janeiro de 2017

A Harley-Davidson está preparando um grande recall?


Especialistas nos EUA estão comentando sobre um possível recall de grandes proporções a ser feito pela Harley-Davidson.

O motivo é a recente interrupção de produção na fábrica de York, Pennsylvania, onde são montadas as motocicletas das famílias Softail, Touring, CVO e o Tri Glide Ultra, além de produzir os quadros, tanques e paralamas de todas as motocicletas da marca.

Ainda que a produção tenha sido restabelecida dias depois, noticia-se que o motivo da paralisação foi relativo a um “defeito crítico na montagem de embreagens”. A Harley-Davidson conseguiu isolar o problema e resolvê-lo, mas isto pode gerar um grande recall para estes componentes.

Veja meus comentários sobre a embreagem da Ultra Limited 2017, na postagem sobre o teste feito por mim.


Se acontecer, não será a primeira vez que a HDMC faz um recall devido a problemas com a embreagem. Em 2015 cerca de 46.000 motocicletas da linha Touring tiveram que voltar nas concessionárias para corrigir problemas no cilindro mestre da embreagem hidráulica.

Problemas constantes e recalls também tem sido sofrido por sua concorrente Polaris Industries, que fabrica as motocicletas da marca Indian. No final de 2016 a Polaris teve que chamar nas concessionárias cerca de 24.000 motocicletas (modelos Chief Classic, Chieftain, Roadmaster e Springfield), para corrigir possíveis vazamentos de combustível, que poderiam provocar um incêndio nos veículos.


Ainda assim, um recall de grandes proporções da Harley-Davidson para um problema persistente é a última coisa que a Motor Company precisa, agora. O mercado de motocicletas de grande porte teve uma retração considerável nos EUA em 2016 e seus concorrentes estão se fortalecendo cada vez mais.

Na próxima terça-feira, 31/1/2017, a Harley-Davidson Motor Company vai divulgar seu relatório de 2016 e o mercado está ansioso para saber como foi o ano para a líder do mercado.

O blog vai postar uma análise deste relatório, logo depois.

6 comentários:

  1. Caro Wilson Roque, lembra do meu comentário no seu teste da Ultra 107 ? ... tenho a minha moto faz 2 semanas parada na concessionária de Fortaleza, com 150Km e sabe Deus quando a terei pronta. Aguardando peças que foram imediatamente retiradas por ordem da própria Harley, a saber são o atuador secundário da embreagem e a vareta. São essas 2 peças que vão ser substituídas por ordem da marca. Embora lamente o sucedido, principalmente a falta de estoque de peças que terá que vir dos EUA, embora esteja muito infeliz porque só rodei uma única vez com a moto, também vale dizer que a Harley deu a cara e imediatamente me atendeu sem me pedir justificações ou arranjar desculpas para não assumir o que quer que fosse. Senti que sou proprietário de uma marca séria, apesar da minha tristeza....ao menos isso me serve de consolo... rsrs, abraços

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. José Manuel, boa tarde. Isto é o que realmente conta: serviço pós-venda. Problema qualquer montadora tem, inclusive as mais caras do mundo. Atendimento correto e eficaz é que faz a diferença.

      Excluir
  2. Pois é, o recall é visto como um grande problema (bem, em termos de projeto sim), mas, mesmo considerando a obrigação legal, eu o considero um indicador de respeito ao consumidor, se é conduzido de forma apropriada.
    Melhor ter a correção de um possível problema, preventivamente, do que ser exposto a ele na miúda.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Roberto, concordo com você. Pós-venda é primordial e faz a diferença.

      Excluir
  3. Boa noite Wilson Roque, ainda em relação à embreagem da minha Ultra 107, problema já por mim relatado, que foi assumido pela Harley como já informei, felizmente hoje, passado 1 mês de ter a moto na concessionária de Fortaleza, ela me foi entregue com atuador secundário e vareta diferentes, de fornecedor diferente, mesmas peças que estão já sendo montados nos modelos touring da marca nos Estados Unidos e em Manaus.
    Bom, em relação ao problema principal, que era a embreagem ser extremamente alta e ter um curso muito pequeno de atuação já no finalzinho, naquele ponto de embreagem, está totalmente resolvido. Agora se sente um espaço normal onde a embreagem e acelerador se juntam, quando peguei na moto a primeira vez, era coisa de 2 mm esse espaço o que fazia a moto tremer no arranque ou até mesmo estancar de repente,ou dar um salto pra frente... tinha que se estar sempre com acelerador atento.
    Isso agora está mesmo resolvido, o curso é normal como na minha antiga Ultra de 2016, motor 103 . O que é diferente mas acredito que agora poderá ser uma característica dessa embreagem, é que ela continua um pouco alta para o meu gosto, uns 2 cm de diferença a mais de mão aberta em relação ao modelo anterior, mas acho que é questão de hábito, não considero perigoso operar com a motocicleta em cidade, pequenos espaços e velocidade baixa. No entanto como ela tem agora um curso maior de atuação, acaba por pegar mais abaixo que antes, ou seja, não está tão alta. Nessa questão, não criticando mas comparando, a de 2016 para o meu gosto , talvez por estar mais habituado a ela, era melhor um bocado, mas nada de mais também. Aceitei a moto com o problema resolvido. Acredito que será feito um recall logo que haja peças suficientes, o que ainda não é o caso. Esperei 1 mês porque as peças retificadas estavam a ser montadas nas novas motos, a minha seguiu os tramites de garantia com toda aquela logística.
    Por ultimo uma palavra para a Newroad, concessionária de Fortaleza, que não mediu esforços para me ajudar, sempre esteve do meu lado, sempre lutando para me ver satisfeito. A Harley Brasil colaborou em tudo também, por isso a marca e a concessionária estão de parabéns. !!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. José Manuel, bom dia. Fico satisfeito em saber que o problema do curso da embreagem foi resolvido pela concessionária Newroad, de Fortaleza. Isto é que faz a diferença: um pós-venda de primeira. Aproveite bastante sua Ultra Limited 2017. Boas estradas.

      Excluir