domingo, 29 de dezembro de 2013

O Que as Mulheres Querem?

Perguntou Freud.

Harley-Davidson tem a resposta. Ela quer uma moto -- ou deveria.

Esse é o resultado de um estudo sobre as mulheres motociclistas e não motociclistas, encomendado  pela Harley-Davidson Motor Company e divulgado esta semana.


As mulheres motociclistas são duas vezes mais prováveis de "sentir-se confiante"  do que as que não pilotam. E também são duas vezes mais prováveis de sentir-se "extremamente satisfeita" com sua aparência.
Mais da metade das motociclistas disseram que sua experiência em duas rodas fez com que se sentisse “livre” e “independente.”

Claudia Garber, diretora de marketing  feminino da Harley-Davidson, é uma dessas mulheres. 
Ela começou a pilotar há seis anos com a aquisição de uma H-D Nightster e depois passou para uma Fatboy.
"Trata-se da liberdade," diz a Harleyra que é casada e mãe de dois filhos. "Quando você está fazendo coisas que quer fazer e sente-se confiante, isto afeta todos os aspectos de sua vida. Você se sente mais confortável consigo mesmo."

Mais e mais as mulheres estão, de fato, pilotando motocicletas . Um  estudo realizado pelo Motorcycle Industry Council, em 2012, comprovou que as mulheres já representam 12% dos motociclistas nos EUA, um crescimento considerável desde os 10,5% em 2009.


A jornalista e veterana motociclista Susanna Schick diz que o resultado do novo estudo é coerente com sua própria experiência pessoal.
"Eu piloto porque tenho necessidade de liberdade," disse. "Quando estou dirigindo o meu carro, me sinto como um animal engaiolado, preso e forçado a viver dentro dos limites dos outros."


O estudo foi realizada pela empresa de pesquisas Kelton Global e entrevistou 1.013 mulheres motociclistas e 1.016 mulheres que não pilotam. Os resultados dizem que as mulheres pilotos são mais felizes em suas carreiras, em suas amizades e em sua vida familiar, e terem duas vezes mais probabilidade de estar "extremamente satisfeita" com sua vida sexual.

Talvez, comentou Susanna Schick.



Qualquer  que seja a sua experiência, o aumento de mulheres motociclistas está  sendo benéfica para a HDMC. A empresa está vendendo mais motocicletas para mulheres do que todos os seus concorrentes juntos, segundo os números de 2013, recentemente divulgados pelo Motorcycle Industry Council.

11 comentários:

  1. Bom dia Roque! Um ponto importante a destacar é a experiência. Têm mulheres que estão adquirindo uma HD sem te-la. E isto pode se tornar um desafio ou uma caixa de Pandora...
    Grande abraço!

    ResponderExcluir
  2. Certamente, Vera, minha querida! Em minha opinião, não basta comprar uma motocicleta. O prazer vem de possui-la, conduzi-la com suas próprias capacidades, ter segurança e habilidade. Todo o resto, é apenas pose e não pode contribuir com nada. A satisfação de mostrar-se, nada tem a ver com liberdade e independência.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Marta você é um grande exemplo de Mulher Motociclista! Tanto que hoje pilotas uma Ultra brincando... Mas poucos sabem o que se passou até chegar aqui, não é mesmo? Bju

      Excluir
    2. Marta você é um grande exemplo de Mulher Motociclista! Tanto que hoje pilotas uma Ultra brincando... Mas poucos sabem o que se passou até chegar aqui, não é mesmo? Bju

      Excluir
  3. Concordo que a experiência é condição essencial.
    Pergunta: é possível praticar com uma HD no Rio de Janeiro? Digo, existe um local que ofereça treinos numa HD?
    Vero
    Rvero@uol.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vero, não se trata de Harley-Davidson ou de qualquer outra marca, mas sim do porte da motocicleta. Pilotar uma 125cc (de qualquer marca) é muito mais fácil do que pilotar uma H-D 1700cc, uma Honda Goldwing ou uma BMW 1600cc. Quando maior e mais pesada a motocicleta, mais habilidade vai exigir do piloto, especialmente nas manobras a baixa velocidade. Sugiro procurar o concessionário H-D no Rio (fica no Recreio). Eles devem podem fazer uma recomendação.

      Excluir
  4. Muito obrigada, wilson!

    ResponderExcluir
  5. Os amigos acima pegaram a rota errada, rsrs
    Do alto da minha 28ª HD digo: é como a evolução do espirito, é liberdade pura. O resto é o resto!

    ResponderExcluir
  6. Concordo com você, Valter Probst! Do alto da minha 29ª HD! Importante é agregar valor ao camarote e "o resto é resto"!

    ResponderExcluir
  7. Concordo totalmente com o Valter Probst! Do alto da minha 29ª HD! O importante é agregar valor ao camarote e o resto é o resto!

    ResponderExcluir
  8. Excelente matéria! Nós mulheres motociclistas amamos pilotar nossa moto pela sensação de satisfação que ela nos proporciona e, com certeza, isso reflete em todos os outros aspectos de nossas vidas!

    ResponderExcluir