quarta-feira, 6 de junho de 2018

Navio Porta-Helicópteros Multipropósito "Atlântico" : a mais nova nave da Marinha do Brasil

HMS Ocean - futuro NPHM Atlantico
A Marinha do Brasil da segunda metade do século XX teve alguns navios que promoveram um divisor de águas na capacidade operacional da Força Naval.

Um deles foi o NAeL Minas Gerais (ex-HMS Vengeance, construído em 1944) no início da década de 1960. Outros foram as fragatas da classe Niterói, no final da década de 1970.

NAeL Minas Gerais, com os P-16 Tracker no convés de vôo
Fragata Niterói
Isto também deve acontecer com NPHM Atlântico (A140), ex-HMS Ocean da Real Marinha britânica (construído em 1998), que era usado como navio de assalto anfíbio até março de 2018. 
Ele é esperado no Brasil até o final de 2018 e ficará baseado na Estação Naval do Rio de Janeiro, em Niterói. A Marinha do Brasil estima que o navio ficará operacional em 2020.

Comprado por 84,6 milhões de libras esterlinas (US$113,2 milhões) no final de 2017, tem as seguintes características:
  • Deslocamento: 21.500 t
  • Comprimento:  203.4 m
  • Boca: 35 m
  • Calado: 6.5 m
  • Propulsão: 2 motores  Crossley Pielstick  de 12 cilindros, 18.360 BHP, 2 hélices
  • Velocidade máxima: 18 nós
  • Autonomia: 8.000 milhas náuticas
  • Capacidade: 40 veículos
  • Tropa embarcada: 830 Fuzileiros Navais
  • Tripulação: 285 Oficiais e Praças
  • Aviação: 180 Oficiais e Praças
  • Aeronaves: 18 helicópteros de combate 
O “Atlântico” possui quatro lanchões LCVP (Landing craft vehicle and personnel) de 15,7 m de comprimento e 24 toneladas de deslocamento.

Os dois lanchões de bombordo, prontos para lançamento
Cada uma destas embarcações é operada por uma tripulação de três homens e pode transportar até 35 Fuzileiros Navais totalmente equipados para combate. A velocidade máxima nominal dessas unidades é de 25 nós (46 km/h) com uma autonomia de 210 minhas náuticas (390 km)

Fuzileiros Navais preparados para embarcar nos lanchões
O navio possui dois sistemas radar: um Kelvin Hughes Type 1007 de vigilância de superfície e navegação e um BAE Systems Type 997 (Artisan - Advanced Radar Target Indication Situational Awareness and Navigation ), radar tridimensional de vigilância aérea e de superfície. É equipado também com o sistema de combate ADAWS 2000L.

O conjunto de radares Type 1007 possui um Color Tactical Display (CTD): visor de navegação altamente capaz, com uma ampla seleção de situações operacionais e táticas. Ele é capaz de fazer o acompanhamento integrado de até 50 alvos rastreados automaticamente e de 20 alvos rastreados manualmente.

Já o Type 997 Artisan provê controle de tráfego aéreo extensivo e identificação dos alvos com visualização tática a médio alcance e suporta monitoramento simultâneo de mais de 900 alvos, com boa resistência aos mais complexos disturbadores eletrônicos conhecidos internacionalmente.


Dois vídeos interessantes:
  • Imagens do HMS Ocean em operação no Brasil

  • Helicópteros que serão utilizados no NPHM Atlântico

Nenhum comentário:

Postar um comentário