domingo, 4 de setembro de 2011

A Revenda Harley-Davidson de Curitiba

Neste sábado conhecí a The One Harley-Davidson, a revenda da marca em Curitiba.

Um dos nossos amigos e companheiro de estrada está trocando sua motocicleta por um modelo 2011 e nós o escoltamos até Curitiba.

Foto cortesia do Blog do Guma
Situada numa avenida repleta de revendedores de automóveis, a The One parece um pouco perdida, até por não ter a logomarca da Harley-Davidson em destaque, fácil de encontrar, como as das demais revendas alí instaladas. O prédio, recém construído, já está em obras de ampliação e é provável que esta falha de imagem seja corrigida.

Chegamos um pouco tarde, por volta das 11:30 da manhã e muita gente já havia saída da loja para outras atividades na cidade. Mas ainda havia muitos pilotos no local e o café da manhã ainda estava quente! O ambiente era de camaradagem, com muita gente conhecidade de encontros e viagens.

Percorri a loja, onde havia uma 20 motocicletas expostas, mas repetidas, sem muitas opções de modelos ou cores à mostra. Não pude conhecer as instalações técnicas, pois não é permitido o acesso à oficina. Há um mezzanino, onde havia algumas roupas, camisetas, jaquetas, etc. Em termos de acessórios, havia menos do que tenho instalado na minha Ultra Glide. Imagino que a Harley-Davidson esteja ainda com dificuldades na distribuição de acessórios e roupas para seus revendedores.

O preço das motocicletas continuam no mesmo nível anunciado. Ví uma Road King 2011 com uma pintura belíssima por R$53.500, que deu água na boca.

O preço dos acessórios/roupas continuam no mesmo nível de sempre: extremamente caros. Comprar tais itens no Brasil, só como última opção. Se a H-D do Brasil conseguir autorização da matriz americana para produzir camisetas, bonés e outros artigos no Brasil (de tão boa qualidade quanto aqueles importados), acredito que o preço possa baixar bastante, anda que tenhamos que pagar o preço da grife.

O atendimento no salão foi fraco. Ninguém se aproximou para saber se eu precisava de ajuda. Procurei um dos vendedores e mencionei que estava interessado em trocar minha Harley 2007 por um modelo 2011. Ele simplesmente respondeu que a pessoa que avalia as motocicletas usadas não estava. Não me perguntou qual era a minha máquina, não se interessou em me mostrar os modelos existentes no salão, nem relacionar as razões pelas quais eu deveria, sim, trocar minha motocicleta por uma nova. Tampouco perguntou meu nome ou pediu meu telefone para um contato posterior. A máxima americana de vendas, "always ask for the business", é um conceito que a The One desconhece, por completo.
Falta de treinamento, claro, além de um péssimo trabalho de recrutamento e seleção.

Baseado na minha avaliação comparativa com dezenas de revendas Harley-Davidson que conheço, considerei as seguinte notas, numa escala de 0 a 10:
Instalações: 6 (possivelmente será aumentada para 8, com a ampliação)
Ambiente: 9
Localização: 8
Estoque de motocicletas: 6
Roupas: 3
Vendas: 2
Acessórios: 0
Oficinas: sem avaliação, por não ter tido acesso.

Com relação aos serviços técnicos, não posso avaliar por não ter tido experiência com a The One. Parei de fazer manutenção em lojas autorizadas em 2009, ainda na fase do infame Grupo Izzo.
Os comentários que tenho ouvido não são muito estimulantes. Motocicletas paradas há meses esperando peças, uma semana para instalar um acessório, três dias para fazer uma revisão dos 1.600 km, não são noticias alentadoras. Imagino que a The One ainda esteja sofrendo as dores do crescimento e as difuldades da infância. E o amadorismo da H-D do Brasil não deve ajudar muito, tampouco.

A curva de aprendizagem costuma ser longa. Pelo menos nota-se, claramente, uma vontade de melhorar e levar o nível de atendimento no Brasil ao patamar da matriz americana. Vamos dar um pouco mais de crédito e esperar por mais alguns meses.

The One Harley-Davidson: Rua General Mário Tourinho, 1055, Curitiba, PR. (41) 3340-6000.

4 comentários:

  1. Bela análise, muito bem ponderada e crítica.
    Márcio Mafra

    ResponderExcluir
  2. E a primeira impressão, é a que fica.

    ResponderExcluir
  3. Se e a preimeira impressao que fica voce vai ter dificuldades na maioria das lojas Harley Davidson. Com mais de 30 anos de experiencia e, durante este periodo, tido mais de 20 motocicletas de varias marcas, nunca comprei uma Harley nos EUA por causa da atitude daqueles que a representam.

    ResponderExcluir
  4. Estive na Tennessee HD em Campinas pois estava me decidindo entre pegar uma Sportster zeradinha ou uma usada q. tinha visto pela net...

    Posso te dizer q. o padrâo de atendimento nao mudou nada em relaçao aos tempos da Izzo e foi exatamente o mesmo que vc recebeu na The One.

    Fiquei uns 20 min parado na frente de uma Iron 883 chrome yellow e os dois vendedores estavam de brincadeirinhas e risadinhas entre si...ou lendo os jornais do dia....ninguém sequer se aproximou para perguntar se queria alguma info (nao q. eu precisasse, mas gostaria de ser atendido!!)

    Acabei optando por pegar uma 883 Low usadinha em excelente estado....

    Agora, a HD sim está com dificuldade grande em ter roupas & acessórios em estoque...fato comprovado...já q. liguei na Autostar em SP para tentar achar um jiffy stand extension kit...para receber a resposta do vendedor: "nao estamos aceitando encomendas...estou com uma moto de um cliente parada ha 60 dias, embora a HD tenha prometido as peças para 30...liga para esse cara, q. ele possa ter" e entao me indicou outra loja...

    Pelo visto, só mudou o CNPJ....pq a coisa continua a mesma!

    Abraços

    Dan Morel

    ResponderExcluir