terça-feira, 20 de setembro de 2011

Montes Apalaches - 4° Dia - Domando o Dragão

O dia de hoje tinha dois objetivos principais: domar a Cauda do Dragão (Tail of the Dragon) na Estrada US 129 (entre North Carolina e Tennessee) e visitar meus amigos de quase trinta anos, Frank e Jean Ponteri, que estão residindo em Maryville, TN há quatro anos, desde que se aposentaram.

Saímos do hotel em Fayetteville, TN por volta das 07:00 e fomos tomar um café da manhão no Chuck's Wagon Café, um típico restaurante familiar da região dos Montes Apalaches, com muitas coisas da Harley-Davidson na decoração. Inclusive um coleção de placas dos anos 1940 e 1950, com bastante ferrugem e marcas de uso. O breakfast foi típico: ovos estrelados "over easy" com bacon, torradas com geléia e café preto (espero que meu cardiologista não leia esta postagem!).

A previsão do tempo no percurso não era muito promissora: nublado com chuvas. Saímos preparados para enfrentar uns temporais de fim de verão, mas tivemos muita sorte. O céu realmente ficou nublado ou parcialmente nublado durante todo o dia, mas tivemos pequenos trechos com chuva fina, que não atrapalhou a marcha.

O roteiro previa uma jornada no sentindo oeste-leste, saindo de Fayetteville pelo David Crockett Parkway e passando por Chattanooga, uma pequena entrada no Estado de Georgia,  East Ridge e Cleveland, no Tennessee, entrando em North Carolina até Murphy. Dalí, seguimos para o norte até Robbinsville, já na US 129.





O primeiro objetivo foi enfrentado por volta das 13:30 horas, quando chegamos no Deal's Gap Resort, que marca o início da subida do Tail of the Dragon.

Uma parada quase que obrigatória para todo motociclista que enfrenta as 318 curvas em 11 milhas (18 km) da US 129, o Deal's Gap Resort já faz parte do folclore dos Montes Apalaches e da cultura sobre duas rodas, nos Estados Unidos. Nós não fizemos diferente: paramos lá para a tradicional fotografia sob a efígie do Dragão e na famosa "Árvore da Vergonha" (Tree of Shame), onde são colocados pedaços de motocicletas daqueles pilotos que não respeitaram os limites (seus e de suas motocicletas) naquela estrada.

Árvore da Vergonha (Tree of Shame)

O Dragão foi domado . . .

Minha preocupação maior era com a estrada molhada e um chuva miúda que caía de forma intermitente. Mas seguindo a impecável sinalização e obecendo todos os limites ( do piloto, da máquina e da estrada), o Tail of the Dragon é uma versão ampliada da Serra do Rio do Rastro, merecendo o mesmo respeito e cuidados. Fora disso, acredito que qualquer motociclista que conheça bem a ciclística de sua motocicleta, poderá domar o Dragão com traquilidade.


Foto por David Allison 



Foto por Kill Boy (www.killboy.com)

Um fato que me chamou a atenção: não cruzamos com nenhum carro da Polícia Rodoviária de nenhum dos dois Estados. Tudo que pesquisei sobre o Tail of the Dragon menciona a presença constante de patrulhas, fiscalizando com rigor a velocidade máxima permitida, entre 30 e 35 milhas por hora (entre 48 e 56 km/h).


No topo da montanha, outra vez no Tennessee, chegamos à cidade de Maryville, onde nos esperavam Frank e Jean, com uma hospitalidade sem igual. Foi ótimo encontrá-los mais uma vez, desfrutar bons momentos e reforçar,  ainda mais, uma amizade de 3 décadas. Espero que eles possam nos visitar em Santa Catarina, em breve.


Rodamos 300 milhas (483 km). A Harley melhorou um pouco o consumo: 15,2 km/l.

Mais fotos aqui.


Um comentário:

  1. Grande Roque,
    Congratulacoes ! O Dragao agora e nosso !
    Aproveita meu amigo...
    Rei

    ResponderExcluir